Escritos

Escrever poesia é a minha terapia, é o meio através do qual meu inconsciente se expressa, e talvez por isso, para mim, escrever não seja uma coisa fácil, algumas vezes o rompante de idéias e sentimentos é grande e a poesia sai praticamente pronta, mas na maioria delas o processo é de uma lenta escultura de palavras e emoções.

Aqui você irá encontrar sempre poesias e textos meus. Está disponível também, para download, o “livreto” Dias de Dúvidas, Descobertas e Derrotas com poesias escritas dos meus 17 aos 20 anos, publicado apenas para parentes e alguns amigos próximos em 1992.

Dias de Dúvidas Descobertas e Derrotas (PDF)
Posts sobre Poesia no Blog
Posts com Textos e Reflexões no Blog
Posts com Textos sobre o Espiritismo
Texto: Conversando Sobre o Suicídio
Texto: Palestra de Formatura no Culto Ecumenico (PDF)

 


 

TUDO FLUI

 

Tolice achar que sei o que sinto

Talvez só sentir já me baste.

Tenho medo da dor que alimento

Tantas vezes vertida em arte.

Uma vez mais a encontrei aqui

Usando-me agora como antes.

Urge saber o momento de agir

Última das minhas vontades.

Digo que o caminho é breve

Desejando que assim seja,

Devo escrever como quem escreve

Duvidando da própria certeza.

Onde sobrevive a minha liberdade

Oculto-me em tranqüila segurança.

Olho por sobre os domínios da morte

Outra vida que renova a esperança.

Feliz momento da Alma

Laço de amor e de luz,

Unge, alimenta e acalma

Indica, orienta e conduz.

Marcelo Leal Limaverde Cabral (escrita em 08/09/2001)

 

ANTES DE IR

 

Antes de dormir eu quero escrever,

Nem que sejam linhas sofridas

Tiradas à força do fundo do ser

Enganando a si, escondendo feridas.

Sofro sim, sofro assim.

Diante do espelho da vida

Encontro a face do que falta em mim.

Insegurança é a palavra que ecoa

Ruidosamente na mente ecoa…

Marcelo Leal Limaverde Cabral (escrita em 04/10/2001)

 

DUAS VERDADES

 

Durante o vento que soprou

Uni minhas mãos ásperas,

Andei assim em fingido vôo

Sabendo-me entre duas castas.

Vim buscar o que perdi

Entre as coisas que te dei.

Refúgio de minhas ilusões

Dédalo infinito de paixões.

Abstrato modo de se ver

Difuso e claro ao mesmo tempo,

Espero conhecer bem o porquê,

Sinto novamente soprar o vento.

Marcelo Leal Limaverde Cabral (escrita em 22/10/2001)

 

METÁFORA

 

Minha verdade hoje não tem certeza

Egoísta que é meu desejo

Trouxe música, memória e beleza

Antes fosse real o que vejo.

Faz-me bem divagar em figuras

Onde nada me acusa ou condena

Rente ao chão lentamente flutuas

Acalma-te senta aqui e contempla.

Marcelo Leal Limaverde Cabral (escrita em 31/10/2001)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *